Cuidados Operatórios

Cuidados pré operatórios:

  • Levar artigos de higiene pessoal.
  • Levar todos os exames ao hospital no dia da cirurgia.
  • Jejum de 8 horas antes da cirurgia para sólidos e líquidos.
  • Tomar banho antes de ir ao hospital.
  • Preferencialmente chegar ao hospital com 2 horas de antecedência.
  • Não tomar medicamentos que contenham ácido acetil salicílico ( por exemplo: AAS, Aspirina, Buferin ou Melhoral ), ginkgo biloba ou anticoagulantes por uma semana antes da cirurgia.
  • Para as mulheres, certificar-se de não estar grávida.
  • Informar a equipe médica sobre alergias, medicações em uso e doenças associadas.
  • Seguir orientações específicas do seu médico assistente para doenças associadas como diabete, pressão alta, epilepsia, cardiopatia, coagulopatia, vasculopatia …

Cuidados pós operatórios:

Consulta

  • Consulta de retorno após a cirurgia para cuidados específicos e com outros especialistas conforme recomendação na alta hospitalar.

Atividades físicas

  • Não realizar esforço físico por 15 a 30 dias. Deve-se evitar atividades como carregar peso, ginástica, correr ou atividades domésticas onde haja utilização de força. Este cuidado visa diminuir o aparecimento de inchaço e possível sangramento no leito cirúrgico. Isto não quer dizer que haja necessidade de repouso no leito. É permitir andar, subir escadas, desde que com moderação.

Curativos

  • Manter a ferida operatória limpa e seca. A incisão fica coberta por um curativo usando gaze e micropore ou apenas micropore. Este curativo tem uma tripla função: proteger a incisão de bactérias e sujeiras, servir como pontos falsos auxiliando no resultado estético da cicatriz e proteger do Sol (marca a cicatriz). Trocar o curativo sempre que sujar ou molhar. Os pontos normalmente são retirados 7 a 15 após a cirurgia.
  • Proteger a ferida operatória da luz, principalmente do Sol por pelo menos 4 meses. Pode ser usado protetor solar FPS> 30 após retirados os curativos.

Dieta

  • Não há restrições alimentares específicas para a maioria das cirurgias cervicais (tireóide, parótida, linfonodos…) . O paciente pode sentir um pouco de dor ao engolir no dia da operação, recomendando-se uma dieta leve. No dia seguinte , este incômodo é bem menor e normalmente está liberada uma dieta geral, respeitando-se as restrições de antes da cirurgia, como dieta para diabéticos e hipertensos.
  • Pacientes que foram submetidos a cirurgias da cavidade oral, faringe, laringe ou esôfago devem seguir orientações específicas para dieta.

Emergências

  • Leve inchaço, principalmente acima da cicatriz, é normal. Sensação leve ou moderada de tensão e fixação cervical é normal devido período fibrótico da cicatrização interna.
  • Uma situação que requer avaliação urgente é o hematoma cervical, que se apresenta com um aumento súbito de volume do pescoço progredindo para sensação de aperto. Inicia normalmente após realização de esforço físico.
  • Em caso de emergência dirigir-se à emergência do HMV ou CIEM ( ou a mais próxima da residência para quem mora longe) levando a nota de alta hospitalar e ligar para o meu celular número 81423001. Evite ligar para o celular, devendo ser usado apenas para emergências, pois prejudica o tratamento de outros pacientes.

A melhor opção para resolver dúvidas é a consulta pessoal. Em caso de necessidade podem ser realizadas ligações para os telefones fixos. Estou disponível nos seguintes locais:

  • Santa Casa ( 3214,8453 ) – sextas-feiras 14:30h às 17:30h.
  • Clínica Herter ( 3311,0075 ou 3311,7037) – quartas-feiras 15:00h às 18:00h.
  • Hospital Moinhos de Vento (3314,3434) – terças-feiras 14:00 às 15:30 e quintas-feiras 16:00 às 18:00.

Nos demais horários as secretárias anotam os recados pois estou em bloco cirúrgico ou visitando pacientes internados.
De modo a manter a máxima concentração no paciente em tratamento, o celular poderá ser desligado durante algumas cirurgias ou consultas, sendo religado em seguida.

 Desejo um ótimo período pós operatório e as bênçãos do bom Deus
Dr. Daniel Sperb - CREMERS 23988

Bibliografia

  1. Cirurgia de Cabeça e Pescoço – Jatin P. Shah – Revinter – 2000 pag 402 e 411.
  2. Comprehensive Management of Head and Neck Tumors –StanleyE . Thawley – WB Saunders Company – 1999 – pag 1730. ( ler com atenção a variabilidade dos ramos deste nervo )
  3. Cao DS Recurrent laryngeal nerve injury during thyroid operation: its prevention and treatment Zhonghua Wai Ke Za Zhi. 1983 Jul;21(7):393-5
  4. Karlan MS, Catz B, Dunkelman D, Uyeda RY, Gleischman S. A safe technique for thyroidectomy with complete nerve dissection and parathyroid preservation. Head Neck Surg. 1984 Jul-Aug;6(6):1014-9
  5. Lore JM Jr, Kim Dj, Elias S. Total thyroid lobectomy and isthmusectomy with exposure and preservation of the recurrent laryngeal nerve.Trans Sect Otolaryngol Am Acad Ophthalmol Otolaryngol. 1977 Sep-Oct;84(5):ORL896-7.
  6. Bai CN Exposure of recurrent laryngeal nerves during thyroidectomy: report of 529 cases Zhonghua Wai Ke Za Zhi. 1981 May;19(5):287-8
  7. Cavallaro V, Barbarino F, Catania V, Bonaccorso R, Craxi G, Rainieri F, Faraci C. The utility of isolating the recurrent nerve and parathyroids in the prevention of complications in thyroid surgery. The role of the superior laryngeal nerve and C cells Minerva Chir. 1997 Dec;52(12):1527-31
  8. Steurer M, Passler C, Denk DM, Schneider B, Niederle B, Bigenzahn W. Advantages of recurrent laryngeal nerve identification in thyroidectomy and parathyroidectomy and the importance of preoperative and postoperative laryngoscopic examination in more than 1000 nerves at risk.Laryngoscope. 2002 Jan;112(1):124-33.
  9. R Michael Tuttle, MD NCCN Thyroid Carcinoma Guidelines Update (Slides with Transcript) Published: 05/09/2007
  10. Detailed guide: thyroid cancer. American Cancer Society Web site. Available at: http://www.cancer.org/docroot/CRI/CRI_2_3x.asp?dt=43. Accessed December 10, 2003.
  11. Davies T.- Is Consensus a Good Thing in the Management of Thyroid Nodules?  Thyroid 16-3 2006
  12. Gharib H, Goellner JR 1993 Fine-needle aspiration biopsy of the thyroid: an appraisal. Ann Intern Med 118:282–289 Sociedade de Radiologistas em Ultrassom (Radiology 237, 2005)
  13. Umemura AY, Flório FA, Orgaes S ET All. – Resultados do tratamento das cicatrizes queloideanas com cirurgia e imiquimode 5% creme: um estudo prospectivo - Revista Brasileira de Cirurgia Plástica v. 26 n°1, janeiro/março 2011, p.3
  14. L. Rosato et al.Complicatios of Thyroid Surgery: Analysis of a multicentric study on 145934 patients operated in Italy over 5 years –  World J Surg 28 ( 2004) 271-276
  15. Gonçalves Filho, Kowalski - Surgical complications after thyroid surgery performed in a cancer hospital. Am J Otol 25 ( 2004 ) 225-230
  16. Dralle, H – Intraoperative Neuromonitoring in Thyroid Surgery. Apresentação no 13 LATS 2009.
  17. Köler, HF et al. Estudo prospective randomizado para avaliação da drenagem após tireoidectomia. Rev. Brás. Cir. Cabeça e Pescoço, v 37 n4, 184-186 2008
  18. Volpi EM et al Utilização do bisturi harmônico em tireoidectomias- análise de 1000 casos Rev. Brás. Cir. Cabeça e Pescoço v35 n 4 207-210 2006
  19. Site da Sociedade Brasileira de Cirurgia de Cabeça e Pescoço – http://www.sbccp.org.br/publico_perg_resp.php.(modificado por Daniel Sperb)
  20. Brodskyn F, Palumbo M N, Roseiro A C J, ET AL. Reabordagem cirúrgica do nível VI para carcinoma de tiroide: experiência de um hospital universitário Revista Brasileira de Cirurgia de Cabeça e Pescoço, Vol. 39, No 4 -2010
  21. Volpi, E M Análise da integridade e funcionalidade do nervo laringeo recorrente após tireoidectomias – estudo comparativo com e sem utilização da eletroneuromiografia intra-operatória / Tese doutorado – Faculdade de Medicina de Saõ Paulo , 2011
  22. Nishida T, Nakao K, Hamaji M, et al. Preservation of Recurrent Laryngeal Nerve Invaded by Differentiated Thyroid Cancer – ANNALS OF SURGERY Vol. 226, No. 1, 85-91 – 1997 Lippincott-Raven Publishers