Tireóide / Orientação aos Pacientes que farão Cirurgia

Cuidados pré operatórios: 

  • Levar artigos de higiene pessoal.
  • Levar todos os exames ao hospital no dia da cirurgia.
  • Jejum de 8 horas antes da cirurgia para sólidos e líquidos.
  • Tomar banho antes de ir ao hospital.
  • Preferencialmente chegar ao hospital com 2 horas de antecedência.
  • Não tomar medicamentos que contenham ácido acetil salicílico ( por exemplo: AAS, Aspirina, Buferin ou Melhoral ), ginkgo biloba ou anticoagulantes por uma semana antes da cirurgia.
  • Para as mulheres, certificar-se de não estar grávida.
  • Informar a equipe médica sobre alergias, medicações em uso e doenças associadas.
  • Seguir orientações específicas do seu médico assistente para doenças associadas como diabete, pressão alta, epilepsia, cardiopatia, coagulopatia, vasculopatia …

Tipo de anestesia

A anestesia geral é a utilizada pela grande maioria dos médicos. Poucos serviços utilizam a anestesia local e não foi demonstrado nenhum benefício em relação a anestesia geral, que é mais segura e confortável para o paciente.

Tempo de Internação Hospitalar

É claro que diversos fatores como tipo de cirurgia, complicações clínicas do paciente e evolução pós-operatória  influenciam no tempo de internação. Se não houver nenhum problema, a média de internação é de 1 a 2 dias.

Dreno 

O local que foi operado produz uma secreção sanguinolenta que é drenado por um mecanismo de aspiração à vácuo, o dreno. Este dreno normalmente está localizado abaixo da incisão cirúrgica e permanece até o momento que o paciente for de alta. Quando o dreno é retirado, é normal que fique saindo um pouco de secreção sanguinolenta pelo orifício do dreno, que vai diminuindo progressivamente até  o orifício fechar sozinho, o que dura por volta de 2 dias. Enquanto isso um curativo com gaze e micropore deve ocluir o local, e deve ser trocado quando  fica sujo de sangue, no mínimo 1 vez ao dia.

Curativo 

A incisão de tireoidectomia fica coberta por um curativo usando gaze e micropore ou apenas micropore. Este curativo tem uma tripla função: proteger a incisão de bactérias e sujeiras, servir como pontos falsos auxiliando no resultado estético da cicatriz e proteger do Sol (marca a cicatriz).

 Cuidados pós operatórios: 

  • Consulta de retorno após a cirurgia para cuidados específicos e com outros especialistas se necessário.
  • Não realizar esforço físico por15 a30 dias. Deve-se evitar atividades como carregar peso, ginástica, correr ou atividades domésticas onde haja utilização de força. Este cuidado visa diminuir o aparecimento de inchaço e possível sangramento no leito cirúrgico. Isto não quer dizer que haja necessidade de repouso no leito. É permitir andar, subir escadas, desde que com moderação.

O paciente pode movimentar o pescoço já nos primeiros dias depois da cirurgia, mas deve evitar traumas na região.

  • Manter a ferida operatória limpa e seca.
  • Proteger a ferida operatória da luz, principalmente do Sol por pelo menos 4 meses.
  • Em caso de emergência dirigir-se à emergência do hospital em que foi operado ou o mais próximo da residência, levando a nota de alta hospitalar.
  • Os pontos normalmente são retiradas 7 a15 após a cirurgia.
  • Não há restrições alimentares específicas para a cirurgia de tireóide. O paciente pode sentir um pouco de dor ao engolir no dia da operação, recomendando-se uma dieta leve.  No dia seguinte , este incômodo é bem menor e normalmente está liberada uma dieta geral,  respeitando-se as restrições de antes da cirurgia, como dieta para diabéticos e  hipertensos.

Medicações:

Analgésicos:

A cirurgia evolui com pouca dor, normalmente paracetamol é suficiente para analgesia.

Antiinflamatórios:

Alguns pacientes necessitam complementação com antiinflamatório para controle da dor

Cálcio:

Pode ser necessário o uso de cálcio, principalmente  após cirurgia de tireoidectomia total. Ele é prescrito para evitar ou tratar os sintomas desagradáveis da hipocalcemia, como formigamentos e câimbras. São utilizados quase sempre temporariamente, e serão retirados conforme a função das glândulas paratireóides se restabelecerem.

Reposição Hormonal:

Não há pressa para se iniciar a reposição de hormônios tireoidianos pois o nível de levotiroxina demora a cair da circulação sanguínea. Normalmente é iniciado após o recebimento do exame anátomo-patológico.

Iodo radioativo.

É indicado como tratamento complementar nos pacientes com câncer de tireóide após a tireoidectomia total. É necessário que o paciente esteja em hipotireoidismo e portanto só ocorrerá após cerca de 30 dias que o paciente está sem reposição hormonal tireoidiana. Há também uma rigorosa dieta a ser seguida e também é necessário evitar contato com qualquer substância que contenha Iodo em sua composição.
Para o tratamento, dependendo da dose, pode ser necessário internação hospitalar de 3 dias em regime de isolamento porque apos a ingestão da dose de iodo radioativo, são necessárias medidas para evitar a contaminação ambiental e de  pessoas  próximas, pois a radiação é eliminada pela pele, urina e fezes.
Felizmente este tratamento apresenta poucos efeitos colaterais e em geral são  bem tolerados. Sensações como alteração do paladar e inflamação nas glândulas salivares podem ocorrer.

Confira a Bibliografia

Bibliografia

  1. Cirurgia de Cabeça e Pescoço – Jatin P. Shah – Revinter – 2000 pag 402 e 411.
  2. Comprehensive Management of Head and Neck Tumors –StanleyE . Thawley – WB Saunders Company – 1999 – pag 1730. ( ler com atenção a variabilidade dos ramos deste nervo )
  3. Cao DS Recurrent laryngeal nerve injury during thyroid operation: its prevention and treatment Zhonghua Wai Ke Za Zhi. 1983 Jul;21(7):393-5
  4. Karlan MS, Catz B, Dunkelman D, Uyeda RY, Gleischman S. A safe technique for thyroidectomy with complete nerve dissection and parathyroid preservation. Head Neck Surg. 1984 Jul-Aug;6(6):1014-9
  5. Lore JM Jr, Kim Dj, Elias S. Total thyroid lobectomy and isthmusectomy with exposure and preservation of the recurrent laryngeal nerve.Trans Sect Otolaryngol Am Acad Ophthalmol Otolaryngol. 1977 Sep-Oct;84(5):ORL896-7.
  6. Bai CN Exposure of recurrent laryngeal nerves during thyroidectomy: report of 529 cases Zhonghua Wai Ke Za Zhi. 1981 May;19(5):287-8
  7. Cavallaro V, Barbarino F, Catania V, Bonaccorso R, Craxi G, Rainieri F, Faraci C. The utility of isolating the recurrent nerve and parathyroids in the prevention of complications in thyroid surgery. The role of the superior laryngeal nerve and C cells Minerva Chir. 1997 Dec;52(12):1527-31
  8. Steurer M, Passler C, Denk DM, Schneider B, Niederle B, Bigenzahn W. Advantages of recurrent laryngeal nerve identification in thyroidectomy and parathyroidectomy and the importance of preoperative and postoperative laryngoscopic examination in more than 1000 nerves at risk.Laryngoscope. 2002 Jan;112(1):124-33.
  9. R Michael Tuttle, MD NCCN Thyroid Carcinoma Guidelines Update (Slides with Transcript) Published: 05/09/2007
  10. Detailed guide: thyroid cancer. American Cancer Society Web site. Available at: http://www.cancer.org/docroot/CRI/CRI_2_3x.asp?dt=43. Accessed December 10, 2003.
  11. Davies T.- Is Consensus a Good Thing in the Management of Thyroid Nodules?  Thyroid 16-3 2006
  12. Gharib H, Goellner JR 1993 Fine-needle aspiration biopsy of the thyroid: an appraisal. Ann Intern Med 118:282–289 Sociedade de Radiologistas em Ultrassom (Radiology 237, 2005)
  13. Umemura AY, Flório FA, Orgaes S ET All. – Resultados do tratamento das cicatrizes queloideanas com cirurgia e imiquimode 5% creme: um estudo prospectivo - Revista Brasileira de Cirurgia Plástica v. 26 n°1, janeiro/março 2011, p.3
  14. L. Rosato et al.Complicatios of Thyroid Surgery: Analysis of a multicentric study on 145934 patients operated in Italy over 5 years –  World J Surg 28 ( 2004) 271-276
  15. Gonçalves Filho, Kowalski - Surgical complications after thyroid surgery performed in a cancer hospital. Am J Otol 25 ( 2004 ) 225-230
  16. Dralle, H – Intraoperative Neuromonitoring in Thyroid Surgery. Apresentação no 13 LATS 2009.
  17. Köler, HF et al. Estudo prospective randomizado para avaliação da drenagem após tireoidectomia. Rev. Brás. Cir. Cabeça e Pescoço, v 37 n4, 184-186 2008
  18. Volpi EM et al Utilização do bisturi harmônico em tireoidectomias- análise de 1000 casos Rev. Brás. Cir. Cabeça e Pescoço v35 n 4 207-210 2006
  19. Site da Sociedade Brasileira de Cirurgia de Cabeça e Pescoço – http://www.sbccp.org.br/publico_perg_resp.php.(modificado por Daniel Sperb)
  20. Brodskyn F, Palumbo M N, Roseiro A C J, ET AL. Reabordagem cirúrgica do nível VI para carcinoma de tiroide: experiência de um hospital universitário Revista Brasileira de Cirurgia de Cabeça e Pescoço, Vol. 39, No 4 -2010
  21. Volpi, E M Análise da integridade e funcionalidade do nervo laringeo recorrente após tireoidectomias – estudo comparativo com e sem utilização da eletroneuromiografia intra-operatória / Tese doutorado – Faculdade de Medicina de Saõ Paulo , 2011
  22. Nishida T, Nakao K, Hamaji M, et al. Preservation of Recurrent Laryngeal Nerve Invaded by Differentiated Thyroid Cancer – ANNALS OF SURGERY Vol. 226, No. 1, 85-91 – 1997 Lippincott-Raven Publishers
  23. Rahim AAA, Ahmed ME,  Hassan – Respiratory complications after thyroidectomy and the need for fracheostomy in patients with a large goitre. British Journal of Surgery 02/1999; 86(1):88-90.